NOTÍCIAS

26/05/2020

Leituras que valem por um diploma: 7 livros que ensinam mais do que um curso de MBA

"As lições destes livros têm mais valor prático e de aplicação imediata do que anos de discursos teóricos e apresentações maçantes pelas universidades do mundo", diz o fundador e presidente da consultoria dbBS Business Solutions, Deni Belotti.

E a frase parte de um partidário ferrenho dos estudos acadêmicos formais, como ele mesmo se define. "Sempre fui um defensor e praticante compulsivo da formação acadêmica de alto nível e, dentro do possível, realizada de uma maneira coordenada com a carreira", diz.

No entanto, a velocidade das mudanças e o protagonismo atual de ambientes criativos e dinâmicos no contexto dos negócios têm colocado, de acordo com Belotti, em dúvida a eficácia - mensurável, diz - de cursos de extensão, como pós-graduações e MBAs, que se proliferam com o passar dos anos.

Assim, é sob este cenário que o especialista recomenda a leitura destes sete clássicos sobre gestão. Confira, nas fotos, quais são.

"Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas"

"Cerca de 15% do sucesso financeiro de alguém se deve ao conhecimento técnico e 85% à personalidade e à habilidade de liderar pessoas", escreveu Dale Carnegie no livro. "O autor foi mágico em fazer o público gostar dele. Além de vender dezenas de milhões de cópias de seu livro em todo o mundo, ele abriu as portas de seus programas educacionais, os quais prometiam sucesso profissional e felicidade", diz Belotti que leu o livro dezenas de vezes.

"O Gerente Minuto"

"No livro, os aspirantes a bons administradores são avisados a "visar um empregado fazendo a coisa certa" e a reforçar seu bom comportamento com um minuto de elogios. Más ações devem ser igualmente apontadas e punidas com um minuto de represálias", diz Belotti.

"Gerenciando o Lado Humano da Empresa"

O autor, Douglas McGregor, revolucionou os recursos humanos pensando em duas formas que gestores enxergam empregados. "A Teoria X assume que trabalhadores são inerentemente preguiçosos A Teoria Y assume que eles são motivados por si mesmos", diz Belotti. O consultor explica que, ao questionar a Teoria Y, o autor inclina-se à ideia de que a gestão deve fazer com que o ambiente de trabalho dê condições para que as pessoas queiram desempenhar bem suas atividades.

"A Era da Irracionalidade"

"Este livro teve poderosa influência no que mais tarde viria a ser chamado de pensar fora da caixa", diz Deni Belotti. É que o então professor visitante na Escola de Negócios de Londres descreveu as mudanças que se faziam necessárias a partir das transformações sociais. "Novas tecnologias e o decréscimo nas posições da carga horária integral, além de outras mudanças, requeriam o abandono das regras estabelecidas e tentativas com novas maneiras de trabalho", diz Belotti.

"Inteligência Emocional"

O que está em jogo quando pessoas que QI alto tropeçam e aqueles com QI modesto surpreendem? Esta é a pergunta que o autor propõe para trazer à tona qualidades como autocontrole, persistência e motivação, bases da inteligência emocional. "Sem elas, escreve Goleman, carreiras seriam desnecessariamente jogadas no lixo", diz Belotti. No livro, o autor explica ainda que a inteligência emocional pode ser desenvolvida.

"Marketing de Guerrilha"

O termo guerrilha refere-se às táticas de mobilidade e ocultação utilizadas por pequenos exércitos para vencer tropas maiores e com maior poder bélico, diz Belotti. O sucesso da guerrilha está na mobilidade e no efeito surpresa que rendem ataques quase sempre pelos flancos ou pela retaguarda, seguidos de retirada estratégica para locais de difícil acesso.

Transposto para o contexto de negócios, o conceito de marketing de guerrilha, criado pelo publicitário Jay Conrad Levinson, remodelou a maneira de pensar em pequenas companhias em relação a como se promover.

"Antes, companhias muitas vezes usavam enormes e caras ações de marketing. Para as companhias menores que desejavam competir Levinson defendeu a ideia da preponderância do cérebro sobre os músculos", diz Belotti. O marketing de guerrilha foi a base para construção dos princípios de buzz marketing, segmentação de mercado, mídias não convencionais, criatividade e mídia espontânea.

"O Maior Vendedor do Mundo"

O livro conta a história de Hafid, um humilde guardador de camelos que fica muito rico. "É um guia clássico da filosofia do vendedor", diz Belotti. O autor mostra que satisfação e bem-estar são resultantes do (re) encontro com sua verdadeira essência. A partir daí, os benefícios de ordem material se transformam em consequência lógica.